segunda-feira, janeiro 21, 2008

Eu Sou A Lenda


Por que Eu Sou A Lenda (“I Am Legend”, EUA, 2007) é um filme que vale a pena ver? Porque, ao contrário de muitos filmes-catástrofe, a nova aventura estrelada por Will Smith é mais cinematográfica do que literal. Eu disse literal, e não “literária”. Mas o que é que isso significa? Significa que a narrativa não perde tempo explicando, seja através de imagens demasiadamente auto-explicativas, seja através do discurso de algum personagem ou narrador, tudo o que está acontecendo nos menores detalhes. O filme não se preocupa tanto com os detalhes factuais da história, quanto ele se preocupa com os detalhes dramáticos. Isso sim é uma narrativa bem construída e eficiente, seja na literatura, seja no cinema. A fita, dirigida por Francis Lawrence (de Constantine), eleva-se dessa maneira a um nível um pouco superior à da média das produções do gênero. Nela temos a descoberta da cura para o câncer, na forma de um vírus geneticamente modificado, que acaba se transformando numa praga que transforma as pessoas numa mistura dos zumbis de “Extermínio” com as criaturas de “Abismo do Medo”. Perde-se mais de 90% da humanidade. O tenente-coronel e médico Dr. Robert Neville (Will Smith) é um dos poucos sobreviventes e imunes ao contágio. No entanto, crendo-se o único homem consciente a ainda caminhar sobre a Terra, ele continua na luta para encontrar a cura, numa Nova Iorque em ruínas. Também tem um papel muito interessante nesta história a jovem Anna (a brasileira Alice Braga, vista recentemente em “Via Láctea”).

Este enredo é uma adaptação do romance sci-fi “Eu Sou A Lenda”, de Richard Matheson (publicado pela primeira vez no Brasil ano passado, graças ao iminente filme, pela Editora Novo Século). Matheson escreveu, além de romances e contos, episódios da série de TV “Além da Imaginação” e o roteiro de “O Duelo” (adaptação de um conto seu dirigida por Steven Spielberg). “I Am Legend” já ganhou duas versões para o cinema: a primeira em 1964, chamada Mortos Que Matam (“The Last Man on Earth”), com Vincent Price no papel principal; a segunda em 1971, intitulada A Última Esperança da Terra (“The Omega Man”), com Charlton Heston. Não vi nenhuma das duas e nem li o livro (mas fiquei bastante curioso e interessado em fazer tudo isso). O fato é que a epidemia dos “vampiros” (segundo a concepção de Matheson) destas obras seguramente são uma das fontes para os zumbis de George Romero, os quais, por sua vez, são fonte para todos os outros zumbis, incluindo os mais recentes de “Extermínio” (1 e 2).

O que é interessante na versão de Lawrence é que os detalhes dramáticos não são exagerados e banalizados ao nível de um melodrama barato – o que é comum em filmes-catástrofe. Eu Sou A Lenda mantém-se inteiro dentro de uma tonalidade mais sutil, com muitas coisas sendo deixadas implícitas ou apenas sugeridas. O filme não mastiga todo o alimento antes, colocando-o depois cuidadosamente na boca do espectador e ajudando-o a engolir de todos os modos possíveis. Também está longe de ser uma obra exigente, é claro, mas para o gênero já está muito bom. Os primeiros dez minutos de projeção já mostram todo esse valor. A maneira como são apresentados o protagonista, a sua vida presente (e passada) e o contexto em que tudo isso está inserido, através de elipses e de metonímias muito sábias (uma capa de revista aqui, um cartaz ali, um programa de TV gravado), aliadas a imagens de muito impacto e curiosidade (como a Nova Iorque devastada; curiosidade, no entanto, que não será completamente respondida inteiramente naquele momento, nem mesmo nos momentos subseqüentes – o que quebra a cartilha “literal” do cinemão), tudo isso já vai estimulando o espectador de um jeito especial. Aquilo que tem que ser explicado, o filme o faz usando majoritariamente imagens, as quais são sempre diegéticas (fazendo parte do universo retratado, como objetos no cenário, que é o caso aqui). Esse é o diferencial do cinema (como bem nos ensina o seu maior meste: Alfred Hitchcock) que já deveria ser mais do que banalizado, mas ainda não é.

E o filme todo vai se fazendo à base de elipses bem significativas, embora a maior delas já esteja logo no começo: saltamos da descoberta da cura do câncer para uma Nova Iorque abandonada. É juntando esses detalhes que percebemos que, como um todo, a estrutura narrativa é interessante, porque sabe escolher muito bem o que mostrar e o que esconder, o que revelar e o que manter na sombra da dúvida e da especulação, equilibrando tudo acertadamente numa balança onde o ponto de equilíbrio é o personagem e o seu drama. Afinal de contas, o foco da história não é a catástrofe em si, mas o “day after” e o como que o protagonista lidará com ele. Além disso, como não podia deixar de ser, os efeitos especiais são impressionantes, principalmente ao mostrar uma Manhattan abandonada como se todas as pessoas tivessem simplesmente desaparecido. Em tal ambiente, a solidão perturbadora de um Will Smith amigo de manequins (aqui, o filme lembra o “Náufrago” de Zemeckis), perambulando pelas ruas tomadas de mato que vai crescendo por entre as fissuras do asfalto, por bandos de veados que correm soltos, por leões e quem sabe o que mais lá houver numa situação daquelas – o que nos faz voltar ao ponto de maior interesse do filme: o fato de, mesmo sendo um “blockbuster” do cinema de Hollywood, ele ainda deixa muita coisa para a imaginação do espectador, e o melhor disso está, como já disse, nos primeiros dez minutos de fita (sem que o resto seja necessariamente decepcionante).

Enfim, Eu Sou A Lenda é interessante porque é um “blockbuster” mais sutil (o paradoxo é possível). Nem tudo é explícito, mastigado, empurrado e exagerado para “chocar” e impressionar o espectador, contrariando a tendência – quase pornográfica, à sua própria maneira – dominante nos filmes de ação / aventura / catástrofe / terror / ficção científica / policial da indústria contemporânea. Tendência essa que mostra e explica tudo e tudo às claras, diretamente, principalmente a violência. Já no novo filme de Will Smith, o enquadramento e o foco estão em outro lugar; veja a cena em que o personagem de Smith mata o... Enfim, veja o enquadramento dessa cena e entenderá o que é interessante na visão desse filme. Suspense e drama, eis a chave. Veja também o como que a câmera e a montagem são bastante estáveis ao longo de toda a fita (sem descair para a estética “24 Horas” que domina o cinemão de hoje em dia). Para um diretor que começou fazendo vídeo-clipes de Jennifer Lopez, não é nada mal; Francis Lawrence é um diretor com paciência, o que é uma ótima e rara qualidade em nossos dias. Só pra comparar, pegue-se uma determinada cena de “Duro de Matar 4”, na qual temos um curto diálogo entre dois personagens (parados de pé um diante do outro) que é filmado em uns 20 planos-relâmpago diferentes, na maioria dos quais a câmera rodando e girando e dançando... Quanto a esta “Lenda” aqui, particularmente, eu não via um “blockbuster” contemporâneo que se apegasse mais às técnicas e aos tons de um cinema mais “clássico” desde “A Guerra dos Mundos” de Spielberg. Vale a pena. Quero mais.

5 comentários:

Felipe Nobrega disse...

Ainda não conferi... quase entrei na sala mas desisti... mas me diz uma coisa, você conferiu "O Enigma de ..." em DVD ou baixado? Nunca encontrei ele em DVD.
falow!

Andros Renatus disse...

Olá, Felipe! Vi "O Enigma de Kaspar Hauser" em DVD. Faz parte de uma coleção com vários de Werner Herzog, da Versátil Home Video. O link é:

www.dvdversatil.com.br

Abraços!

Kamila disse...

O que eu mais gostei nesse filme é que o foco está na pessoa, nos conflitos internos do personagem do Will Smith. Ele é um homem preso à sua rotina (para que não fique louco), mas que perdeu seu senso de coletividade e de humanidade. E é aí que entra a personagem da Alice Braga, que recupera isso nele e o coloca de volta no foco.

Andros Renatus disse...

Esse foco no humano é legal mesmo. Num humano que precisa ser mais do que humano: Will Smith tem o destino da humanidade nas mãos. Mais do que herói, ele é o novo messias, que descobre, propaga e se sacrifica pra defender a "boa nova", a cura pra esécie.

Blog do Fer disse...

Talvez o mais fraco filme de Will Smith.