quinta-feira, setembro 11, 2008

Canções de Amor


Tudo o que eu disse, em janeiro deste ano, a respeito de Em Paris (2006) – fita anterior de Christophe Honoré – aplica-se de maneira exemplar também a este Canções de Amor (2007). A felicidade de filmar, o toque impressionista das imagens (ressaltado aqui pela captação em digital), fazendo com que o filme seja simplesmente gostoso de ver; e principalmente, o fato de serem películas prenhes de musicalidade, embora na primeira a música estivesse implícita; já nesta última, a melodia, o ritmo e a harmonia se revelam com um explícito até libidinoso. “Chansons d’Amour” não é um musical no sentido tradicional, em que a imagem se faz em favor da música, mas é um filme como Os Guarda-Chuvas do Amor (França, 1964, dir.: Jacques Demy), no qual é a música que serve à imagem e à poesia propriamente literária do enredo.

Este filme é como uma canção pop: gruda na nossa cabeça. Se Em Paris parecia um vídeo-clipe, esta última produção é exatamente um “vídeo-clipe”. É particularmente recomendável aos corações apaixonados (não interessa por quem, mesmo que seja por ninguém). A fortíssima presença de Paris como cenário vivo, realmente animado de luz, sombras, concreto, metal e pessoas, a cidade como personagem-testemunha e confidente das “canções” de amor é uma grande gostosura também presente neste filme. É um daqueles momentos em que o cinema desperta o nosso olhar para a paisagem que nos cerca. Sair da sala de exibição, à noite, após ter visto esse filme, tem um efeito poeticamente revigorante, o mesmo que senti após Um Beijo Roubado (de Wong Kar-Wai). A “educação sentimental” por que passam os personagens também tem um delicioso efeito catártico.

Com tudo isso, a realização de Honoré é vigorosa, mas... não é inventiva (e nem precisa ser, estou fazendo apenas uma constatação – embora falte uma real criatividade no cinema contemporâneo, daquelas que criam escola). “Chansons d’Amour” é um filme gostoso como os melhores clássicos do cinema francês (de Renoir a Godard); sentimos nele a paixão e a disciplina de um jovem cineasta a estudar, homenagear e tentar encaixar os seus pequeninos pés nas pegadas grandes dos mestres, trilhando aos saltos o caminho que os seus antecessores fizeram em passos curtos. É bom e ruim ao mesmo tempo as novas promessas do cinema possuírem um caráter tão “vintage”. Quem gosta da Nouvelle Vague vai adorar os filmes de Christophe Honoré. Mas quem espera algo realmente novo, um novo gênio criador, bem... continuará esperando.

2 comentários:

contra-regra disse...

A pessoa que me indicou esse filme é fanática por musicais. Foi ela que me recomendou Chicago, Hairspray, entre outras pérolas atuais do gênero. Essa foi a primeira vez que ela acertou em cheio. Canções de Amor é sublime do início ao fim. Pena que filme francês aqui no RJ só passe na Zona Sul (eles sempre acham que espectador de subúrbio não gosta ou não entende essas coisas!). Belíssimo!

Mídia? Cultura? Acesse:
http://robertoqueiroz.wordpress.com

André Renato disse...

Filmes assim aqui em SP também só passam nas regiões "nobres" da cidade: circuito Av. Paulista. Outro grande musical contemporâneo (mas que não tem NADA a ver com "Canções de Amor" é "Sweeney Todd", de Tim Burton. Recomendo.